SÃO MIGUEL EM ALTA

SÃO MIGUEL EM ALTA

segunda-feira, 31 de março de 2014

31 de março: militares consumam golpe contra Jango e a democracia

-

Tanques nas ruas, população dividida e um presidente da República acuado e sem apoio. Nesse cenário, há 50 anos, se iniciava no Brasil o mais longo e duro período de ditadura do país, que perduraria 21 anos. Nas primeiras horas do dia 31 de março de 1964, tropas comandadas pelo general Olímpio Mourão partiram de Juiz de Fora (MG) em direção ao Rio de Janeiro consumando um golpe há muito tempo planejado pelas forças militares.


Isolado, o então presidente da República João Goulart, conhecido como Jango, pouco pôde fazer para evitar o golpe. Com a economia do país em crise e sem forças para promover as reformas de base, principal bandeira de seu governo, ele deixa Brasília rumo ao Rio Grande do Sul no dia 1º de abril.

Alguns dias depois, e dando o golpe como irreversível, o presidente parte com a família rumo ao Uruguai em um carro preto, escoltado por militares que ainda mantinham lealdade à Constituição. Jango morre na Argentina 12 anos depois. Inicialmente apontada como infarto, a causa da morte de João Goulart é investigada até hoje.

Tanques no golpe de 1964_Rio
Para o doutor em história e professor da Universidade de Brasília (UnB) Antonio Barbosa, os militares já haviam orquestrado uma espécie de golpe contra a democracia brasileira três anos antes. Com a renúncia de Jânio Quadros, em 1961, os militares atuaram para impedir a posse do vice, Jango, e o Congresso Nacional aprovou a mudança de sistema de governo, que passou do presidencialismo para o parlamentarismo, no qual o presidente da República não detém a chefia de governo.

“[Os militares] permitiram que João Goulart chegasse ao poder [em 1961], mas tiraram os poderes dele. Por isso, do dia 7 de setembro de 1961 até janeiro de 1963, quando houve o plebiscito e o não [ao parlamentarismo] venceu, Jango teve os poderes limitados”, relembra.


Depois das eleições gerais de 1962, cujos resultados foram influenciados pela injeção de recursos norte-americanos que buscava eleger parlamentares favoráveis aos interesses daquele país e ainda influenciar os meios de comunicação em favor das teses conservadoras, Jango fica isolado, sem conseguir levar adiante as reformas de base.

“Nos últimos dois meses que antecederam o 31 de março, era muito comum no país inteiro as aulas serem interrompidas, especialmente nas escolas públicas, para as professoras levarem os alunos para rezar o terço. A cada conjunto de dez Ave-Marias, se fazia uma exortação, que naquela época era 'Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, livrai-nos do comunismo, Amém'. Era esse o ambiente, o clima.”
“Você não imagina o que foi o país naquele período, a partir de 1963, depois que os eleitos tomaram posse no Congresso Nacional, até 31 de março de 1964. Foram coisas que os jovens de hoje nem conseguiriam imaginar”, conta Barbosa.

O temor dos militares de que o comunismo aflorasse no Brasil foi uma das justificativas para o golpe. No entanto, para o professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Paulo Ribeiro da Cunha, o golpe foi sendo construído ao longo dos anos pelos comandantes das Forças Armadas. “Em 1954, já foi uma tentativa, um preâmbulo, abortado, principalmente, pelo suicídio de Getúlio Vargas. Mas, em seguida, tivemos várias tentativas de golpe”, explica. A tese é reforçada por Antonio Barbosa: “Jango era um homem de centro-esquerda, não era comunista, não era socialista”.

Dois momentos foram cruciais para fortalecer a linha golpista das Forças Armadas e precipitar a derrubada da democracia: o comício de Jango na Central do Brasil, na sexta-feira 13 de março de 1964, com o palanque montado em frente ao Ministério da Guerra. Na ocasião, João Goulart fez um discurso duro em defesa do mandato e das reformas de base, o que soou como uma afronta aos militares. Uma semana depois, a resposta da direita veio com a Marcha da Família com Deus pela Liberdade.

Doutor em História, Professor da Universidade de Brasília, Antonio Barbosa
Para Antonio Barbosa, havia dois projetos em luta, um para reformar o capitalismo brasileiro e outro para modernizá-lo pela via autoritária Elza Fiuza/Agência Brasil



















“Os militares se sentiram apoiados. Mais de 500 mil pessoas foram às ruas em São Paulo. Isso há 50 anos, sem internet e redes sociais. E ali sim, se radicaliza, e os líderes, que há muito tempo preparavam um golpe, perceberam que era o momento”, analisa Barbosa.

“O curioso é que foi em nome da democracia que se suprimiu a democracia no país”, ressalta o coordenador do Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Pio Penna.

Segundo Antonio Barbosa, ninguém se levantou para defender João Goulart. “Foi uma revolução absolutamente sem sangue e sem tiro. O país completamente mobilizado, ideologicamente falando. Mas não podemos esquecer que o Brasil era um país de população com mais de 75% de analfabetos e mais de 95% de religiosos que seguiam a Igreja Católica. E a igreja, naquele momento, estava completamente imbuída da luta anticomunista. Padres, no país inteiro - por dez anos eu vi isso - procurando alertar as pessoas de que o comunismo estava chegando.”

O golpe definiu a vitória da opção conservadora em um país que se desenvolvera ao longo do século 20, mas não havia modernizado suas relações sociais.

“Diria que, no Brasil, no início dos anos 1960, havia dois projetos em luta: um reformista, capitaneado por Goulart, que queria, na minha opinião, oferecer uma face mais humana para o capitalismo brasileiro. De outro, um projeto de modernização do capitalismo brasileiro, inserindo-o em escala global, pela via politicamente autoritária. E quem venceu foi esse grupo. Então, o regime de 1964 começa sem enganar ninguém: é um regime de exceção”, lembra Barbosa.

Ao longo de 21 anos, cinco generais se sucedem no comando do país, no que ficou conhecido como “anos de chumbo”. Uma geração política foi suprimida pela ditadura, milhares de pessoas foram torturadas e mortas e o país é devolvido à sociedade economicamente quebrado, vítima do endividamento acumulado no período militar.

Jango só voltaria ao Brasil morto, no dia 7 de dezembro de 1976, para ser enterrado em São Borja, sua cidade natal. É o único presidente da República que morreu no exílio. Em 1985, o colégio eleitoral elege Tancredo Neves como o primeiro presidente civil desde 1964.
-


 Agência Brasil

Reajuste no preço dos medicamentos passa a valer a partir de hoje

3401
Indústrias farmacêuticas e distribuidoras podem, a partir de hoje (31), adotar o reajuste de até 5,68% nos preços de medicamentos regulados pelo governo. A resolução da Câmara de Regulação de Medicamentos (Cmed) que autoriza o reajuste foi publicada na última quinta-feira (27) no Diário Oficial da União.
De acordo com o Ministério da Saúde, a regulação é válida para mais de 9 mil medicamentos, sendo que mais de 40% deles estão na categoria nível três – de menor concorrência, cujas fábricas só poderão ajustar o preço teto em 1,02%.
“O ajuste autorizado pode alterar o preço máximo de fábrica, porém não impacta diretamente no valor pago pelo consumidor, uma vez que muitas empresas adotam descontos na comercialização dos produtos”, informou a pasta.
A Cmed fixa o valor do reajuste anualmente, com base em critérios técnicos definidos na Lei 10.742 de 2003. São considerados no cálculo a inflação do período (de março de 2013 até fevereiro de 2014), produtividade da indústria, variação de custos dos insumos e concorrência dentro do setor.
Agência Brasil

Nomeados os membros da Comissão Municipal de Sistematização do Plano Municipal de Educação de São Miguel

O Prefeito de São Miguel publicou na edição de hoje (31) do Diário Oficial dos Municípios a Portaria Nº 041 de 27 de março de 2014 que dispõe sobre a nomeação dos membros que irão compor a Comissão Municipal de Sistematização do Plano Municipal de Educação de São Miguel.


Conforme a portaria, a comissão municipal será composta por representantes de órgãos públicos e entidades da sociedade civil organizada. Veja a relação das pessoas nomeadas:

REPRESENTANTES DA SME
Francisco Maciel do Nascimento

REPRESENTANTE DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
Luzinete Cesário de Araújo Freitas

REPRESENTANTE DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL
Adalcina Vieira de Almeida

REPRESENTANTE DO SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO
Celina Maria de Freitas Carvalho

REPRESENTANTE DO SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS
Antonio Ferreira de Souza

REPRESENTANTE DOS DIRETORES MUNICIPAIS
Márcio Gleber Crisóstomo Aquino

REPRESENTANTE DOS DIRETORES ESTADUAIS
Francisco Edimar Pinheiro

REPRESENTANTE DOS DIRETORES DE ESCOLA PRIVADA
Maria Zilda da Silva

REPRESENTANTE DO CONSELHO TUTELAR
Maria do Socorro Lopes

REPRESENTANTE DOS EMPRESÁRIOS
Francisco Neto de Freitas

REPRESENTANTE DE ESTUDANTES
Maria Eduarda de Lima e Silva

REPRESENTANTE DE PAIS
Francisca Ligia Nunes

REPRESENTANTE DO CONSELHO DO FUNDEB
Vânia Maria Pessoa Rodrigues

REPRESENTANTE DO ROTARACT
Sonayra Maria Leite Moreira

REPRESENTANTE DO INTERACT
Denise Lauana Fernandes de Oliveira

REPRESENTANTE DO LEGISLATIVO
José Edmilson de Carvalho

Secretária Estadual do Trabalho, Habitação e Assistência Social pedirá exoneração do cargo

A secretária do Trabalho, Habitação e Assistência Social, Shirley Targino (PR), entregará hoje (31) a carta de renúncia ao cargo à governadora Rosalba Ciarlini.


Shirley, que também é presidente do PR Mulher, já conversou com a governadora e diante do momento eleitoral - em que João Maia é o possível pré-candidato a vice-governador na chapa do PMDB, encabeçada pelo deputado Henrique Eduardo Alves, ela se vê obrigada a acompanhar o partido.

*Fonte: Portal Nominuto.com

Tentativa de roubo a motocicleta na Zona Rural município de São Miguel


 Neste domingo (30) Por volta das 18h30min foi registrada uma tentativa de roubo em estrada carroçável no Sítio Riacho Fundo, Zona Rural município de São Miguel.


De acordo com informações um adolescente de 14 anos de idade seguia pilotando uma motocicleta quando dois malévolos em outra moto tentaram tomar seu veículo, contudo o adolescente conseguiu escapar da ação e em seguida comunicou o fato a PM de São Miguel que realizou diligências pela região, mas não obtendo êxito.  

Veiculo capota na zona rural de Riacho de Santana/RN

No final da tarde deste domingo (30), quando o condutor trafegava no veiculo tipo S-10 cabine dupla, cor branca, placa OGB 4829-Bonito de Santa Fé/PB, em uma estrada carroçável, na zona rural de Riacho de Santana/RN, com destino à zona urbana, perdeu o controle de direção e capotou.

O acidente ocorreu no sítio Tabuleiro do Padre, nas proximidades do açude novo, no exato momento em que o condutor passava em uma curva e o veículo ficou de “cabeça pra baixo”. Cerca de quatro pessoas, além do condutor, ocupavam o veiculo, mas ninguém saiu ferido, ocasionando apenas danos materiais no automóvel.

O policiamento compareceu ao local para as providências de praxe e de acordo com o condutor, o veiculo possui seguro e o reboque já havia sido acionado para removê-lo.


Pais lutam na Justiça por liberação de remédio derivado da maconha

Anny, de 5 anos, tem uma doença rara, que provoca muitas convulsões. Só um remédio funciona, mas é ilegal no Brasil, porque é derivado da maconha.

Se você fosse a mãe ou pai da menina, importaria o remédio mesmo assim?
Um casal brasileiro decidiu que faria exatamente isso. E um documentário conta a história deles.

“Anny, 5 anos, é a minha filha. É portadora de patologia muito rara, apresenta quadro clínico com distúrbio psicomotor decorrente de uma patologia cerebral. E que, dentre os sintomas, tem crises convulsivas resistentes a todas as medicações possíveis no país. Justifico a solicitação de Canabidiol baseado nos itens acima”, diz Katiele Fischer, mãe da Anny, em um documentário.

“Quando a gente ficou sabendo do CBD, que nós decidimos importar, nós tínhamos a consciência que era um produto derivado da Cannabis Sativa e por esse motivo ilegal no país. Mas o desespero de você ver a sua filha convulsionando todos os dias a todos os momentos, nós resolvemos encarar e trazer da forma que fosse necessária, mesmo que fosse traficando”, conta a mãe da Anny.

A compra é ilegal porque o Canabidiol, ou CBD, é uma das mais de 400 substâncias encontradas na Cannabis Sativa, a maconha. Só que, muito diferente da droga fumada, o composto não altera os sentidos, nem provoca dependência.    

O documentário lançado essa semana é parte de uma campanha e de uma discussão que envolve preconceito, ciência e saúde: o uso medicinal da maconha. Os pais de Anny descobriram o CBD na internet em uma busca desesperada.

“Nós já tínhamos tentado de tudo. Nós já tínhamos tentado todas as medicações, nós já tínhamos tentado uma cirurgia. E essa era a nossa luz do fim do túnel”, conta Katiele.

A Anny chegou a ter tantas convulsões em um único dia que o Fischer e a Kati perdiam as contas. Para ter como explicar a situação para os médicos nas consultas, eles decidiram marcar as crises em tabelas. São páginas e mais páginas de sustos, de tristeza, mas também de alegrias e de esperança.

Os quadradinhos pintados que marcavam cada convulsão e enchiam as tabelas foram diminuindo a partir de novembro de 2013, quando Anny começou a tomar o derivado da Canabis.

“A primeira dose que nós demos pra ela, não foi só a dose. Foi uma dose com uma carga de esperança tão grande que a gente deu para ela chorando”, conta a mãe, emocionada.

“A gente chegava perto da Anny, falava o nome dela e ela olhava a gente nos olhos. Isso não tem palavras. Vale qualquer sacrifício, qualquer esforço, você saber que ela voltou a te olhar nos olhos”, afirma o pai, Norberto Fischer, professor.

Voltou também a comer e não depender mais de sondas para se alimentar, ganhou força e condições melhores para fazer fisioterapia. São efeitos do Canabidiol.

Ele e outros derivados da maconha já são usados em vários países da Europa e em boa parte dos Estados Unidos para tratar doenças como Parkinson, esclerose múltipla e combater sintomas da Aids e do câncer.

O pesquisador José Alexandre Crippa da USP, de Ribeirão Preto, é um dos poucos que conseguiram autorização para trazer e estudar o CBD no Brasil.

“Eu sou totalmente a favor do uso medicinal do Canabidiol e sou absolutamente contra o uso da maconha da forma fumada, porque não se sabe a quantidade que tem de Canabidiol”, explica Crippa.

Mas ele defende o uso de derivados que estão beneficiando pacientes como Anny. “Essa menina passou de 80 crises até zero crise, 80 crises por semana até zero crise por semana, o que é absurdo em termos clínicos, ainda mais se considerando que é um tipo de epilepsia muito grave” diz José Alexandre.

Os pais da Anny não são os únicos a olhar para o Congresso, para as autoridades, à Justiça com expectativa. Para outros brasileiros, a legislação criada com o argumento de proteger a saúde acabou se transformando em uma barreira de preconceito que impede o avanço da ciência e da medicina.

As mães de outras crianças que sofrem de síndromes raras que provocam convulsões estão cheias de perguntas.

“Por que esses remédios que causam cegueira parcial pode e o Canabidiol não pode? Esses remédios que elas tomam, além de serem fortíssimos, os efeitos colaterais são horríveis”, diz a advogada Margarete Brito.

Além de indignação elas têm pressa e vontade de experimentar o que pode trazer alívio.

“O risco é que nossos filhos possam entrar em crises convulsivas prolongadas e isso pode gerar a morte. A gente não tem mais tempo para esperar por isso”, afirma a enfermeira Samar Duarte.

Fantástico: Você queria experimentar?
Aline Voigt Nadolni, engenheira: Muito. A gente sabe que cada semana é preciosa. A gente vê a nossa filha piorando a cada semana.

No Paraná, os pais da Alana estão se arriscando para tratar a filha com o CBD que trazem dos Estados Unidos, onde ele é vendido como suplemento alimentar.

“Ele não é uma droga e sim uma terapia medicinal. Eu perguntava para Silvana: ‘nossa, será que nós vamos ser contra a lei? Será que eu estou fazendo o certo?’. Olhando para minha filha tendo crise, chegou um dia que eu falei: ‘não, eu vou ter que encarar tudo isso’”, argumenta o empresário Leandro Name Utrabo.

Para a Associação Brasileira de Psiquiatria, ainda faltam evidências de que o Canabidiol funcione e não traga prejuízos à saúde. A Anvisa, a agência que regula medicamentos, proíbe o uso dos derivados da maconha. A brecha é pequena.

“Em casos extremos, em que já se tentou vários tratamentos e não se teve sucesso, pode ser que fazendo uma solicitação judicial se consiga uma autorização de exceção para importar e utilizar essa droga”, explica Frederico Garcia, da Associação Brasileira de Psiquiatria.

É o que os pais de Anny vão fazer. Nesta segunda-feira (31), entram com uma ação na Justiça para terem o direito de importar, legalmente, o medicamento para a filha. E vão divulgar o documentário para trazer à tona um assunto envolto em polêmica, falta de informação e muito sofrimento.

Fonte: Site do Fantástico

Vasco vence o Fluminense e vai disputar o título com o Flamengo


 O Vasco encerrou um jejum de dez anos e disputará pela primeira vez o título Estadial desde a final de 2004. Na tarde deste domingo, o time de São Januário superou a vantagem de dois empates do Fluminense nas semifinais e, com uma vitória por 1 x 0, avançou à final. Edmilson, no final do primeiro tempo, marcou o único gol da partida.

O último título carioca do Vasco foi em 2003, numa final contra o mesmo Fluminense. Em 2004, o Vasco foi vice-campeão ao perder nos dois jogos finais contra o Flamengo.

A decisão do Carioca 2014 será disputada em duas partidas, nos dias 6 e 13 de abril, às 16 horas, no Maracanã. Por ter realizado a melhor campanha da primeira fase, o Flamengo tem a vantagem de dois empates.

Antes de se enfrentarem, Vasco e Flamengo têm compromissos no meio de semana, pela Copa do Brasil e Libertadores, respectivamente

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 0 X 1 VASCO

Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 30 de março de 2014, domingo

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)

Assistentes: Luiz Cláudio Regazone e Michael Correia (ambos do RJ)

Público: 15.925 pagantes (19.586 presentes)

Renda: R$ 663.990,00

Cartões amarelos: Valencia (Fluminense); Reginaldo, Douglas, Rodrigo e Martín Silva (Vasco)

Gol: VASCO: Edmilson, aos 44 minutos do primeiro tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Elivélton e Carlinhos; Valencia, Diguinho (Wagner), Rafinha (Biro Biro) e Darío Conca; Walter (Rafael Sobis) e Fred. Técnico: Renato Gaúcho

VASCO: Martín Silva; André Rocha, Luan, Rodrigo e Diego Renan (Marlon); Guiñazú, Pedro Ken e Douglas; Everton Costa, Reginaldo (Fellipe Bastos) e Edmilson (Thalles). Técnico: Adilson Batista

Fonte: Placar Online

Dilma provoca estragos nas áreas de petróleo, de álcool e de eletricidade

A economista Dilma Rousseff fez carreira política e ganhou fama de gestora pública ferrenha ao se apresentar como especialista no planejamento do setor energético. Alçada, em 2011, à Presidência da República, ela assiste agora, no último ano de seu mandato, a uma consolidação de turbulências simultâneas nas áreas de eletricidade, petróleo e etanol, provocadas por suas decisões polêmicas, algumas tomadas ainda quando era ministra de Minas e Energia e, depois, da Casa Civil. Essa crise, cada vez mais evidente, tem gerado impactos crescentes na saúde fiscal da União, na balança comercial e nas projeções de crescimento econômico do país.

O quadro de estresse no setor preferido da presidente reúne nós difíceis de desatar. Numa das pontas, ecoam a ameaça crescente de um racionamento de energia e o fato de as distribuidoras de eletricidade dependerem cada vez mais de mesadas do Tesouro Nacional para não quebrarem. Na outra, estão os preços defasados dos combustíveis, que, além de minarem o caixa da Petrobras, estão estraçalhando as contas externas do país. Para completar, há o desarranjo do complexo sucroalcooleiro, com usinas que acreditaram na promessa de renovação da matriz energética brasileira, investiram pesado apostando no aumento do consumo que não veio e, agora, só contabilizam prejuízos. A situação é tão preocupante nesse segmento que, em nenhum estado do país, é mais vantajoso abastecer o carro com álcool.

O problema para o consumidor, ao menos por enquanto, não é a falta de energia, mas sim o aumento no valor da conta a ser paga”
Fábio Luiz Cuberos, diretor da Safira Energia

“O que estamos assistindo é a coroação de medidas equivocadas, tomadas de forma voluntarista, sem ouvir os agentes do ramo. O problema é que a fatura dos estragos está sendo compartilhada com toda a sociedade”, observa um executivo da área de açúcar e álcool, elo mais frágil da matriz energética, imprensado pela indústria petroleira e pela geração elétrica. Depois de pedidos reiterados de socorro federal, o conjunto estratégico de usinas de etanol do país — concentradas no Triângulo Mineiro, em Goiás e no oeste de São Paulo — começa a dar marcha a ré ao ousado processo de resistência energética do país, iniciado em 1975 com o Proálcool. Tudo porque o governo insiste em obrigar a Petrobras a vender gasolina importada por preços irreais.

Silêncio

O desânimo é geral. “O quadro atual é uma aberração, bem diferente daquele vendido pelo então presidente Lula ao colega George W. Bush, quando da visita do norte-americano ao país em 2005. O Brasil passou a importar etanol dos Estados Unidos em vez de exportar. E não consegue produzir derivados de petróleo em quantidade suficiente para atender o consumo interno”, lembra outro empresário.

Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) mostram que o deficit da balança comercial de combustíveis, resultado de importações maiores que exportações, vai se ampliar em 2014. Apenas o rombo provocado pelas compras de óleo diesel será de US$ 9 bilhões neste ano e o da gasolina, de US$ 2,5 bilhões. Isso considerando uma alta de 4% da demanda de derivados de petróleo. Em nota, a Petrobras informa ao Correio que, “no momento, não fará comentários sobre o assunto”.

Adilson Oliveira, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), não tem dúvidas de que a situação no setor energético vai piorar, sobretudo por causa do peso cada vez maior do parque termelétrico na garantia de abastecimento de casas e empresas. Ou seja, os brasileiros devem preparar o bolso para, assim que passar as eleições presidenciais de outubro, começar a pagar mais pela conta de luz. Como a capacidade do Tesouro de bancar os subsídios está se esgotando, o encarecimento da energia elétrica será inevitável.

João Carlos Mello, presidente da Thymos Consultoria, ressalta que, de março a dezembro deste ano, as térmicas projetam receita bruta de R$ 24 bilhões, montante que poderia ser economizado com uma campanha nacional em favor da economia voluntária do consumo residencial de eletricidade. O Palácio do Planalto, contudo, resiste em anunciar a medida, com receio de desgaste político, já que Dilma tentará a reeleição e não quer ser associada ao racionamento de 2001, durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Mello ressalta que, enquanto o governo se prende a questões políticas, o estrago só aumenta. Ele estima em 30% o reajuste no valor dos contratos de energia a serem negociados em 2015. Na sexta-feira, a Câmara de Compensação de Energia Elétrica (CCEE) fixou para esta semana o preço de R$ 822,83 para o MW médio, recorde em vigor desde fevereiro.

Para Fábio Luiz Cuberos, diretor da Safira Energia, a ativação das termelétricas é uma resposta inevitável diante do estresse hídrico. “Só que, ao contrário de 13 anos atrás, desta vez, o problema para o consumidor, ao menos por enquanto, não é a falta de energia, mas sim o aumento no valor da conta a ser paga”, destaca. No entender dele, os estragos poderiam ser minimizados se houvesse melhor manutenção nos equipamentos da rede e um melhor planejamento na expansão do parque gerador e das linhas de transmissão do sistema, sobretudo no Nordeste. A média de atraso nas obras de ampliação da oferta de energia no país passa de 10 meses, prazo inconcebível para um governo comandado por uma expert no assunto.

Ganho de R$ 9 bi

Apenas as hidrelétricas de concessionárias que não aderiram ao plano de redução da conta de luz, definido unilateralmente pela presidente Dilma Rousseff, como a Cemig, a Copel e a Cesp, têm conseguido computar ganhos com o atual caos energético. Estima-se que, apenas nos dois primeiros meses do ano, tenham faturado, com outros agentes, como o Banco BTG Pactual, cerca de R$ 9 bilhões. Já as distribuidoras que comercializam energia mais cara no atacado vão receber, do Tesouro Nacional, pelo menos
R$ 23 bilhões entre 2013 e este ano, para continuarem de pé.

Fonte: Correio Braziliense

Em depoimento inédito, Chico Anysio conta como venceu a depressão

Durante muitos anos, Chico Anysio mostrou ter várias faces. Mas uma, ele só revelou pouco antes de morrer.

“Eu tenho um psiquiatra há 24 anos. E se não fossem os remédios que a psiquiatria dá. Se não fosse isso, eu não teria conseguido fazer 20% do que eu fiz”.

Chico Anysio sofria de depressão.

“Eu entendi que era depressão e eu pude pagar os remédios. E eu pude pagar ao psiquiatra, então eu venci. Porque ela é vencível”, conta o humorista.

O presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria foi quem teve a ideia de entrevistar Chico Anysio. Ele queria que as palavras do humorista fossem usadas em um congresso contra o preconceito a doenças mentais.

“A depressão atinge de 20 a 25% da população. E significa que 20 a 25% da população, tem, teve ou terá um quadro de depressão ao longo da vida. Portanto pode atingir a qualquer pessoa, em qualquer idade”, explica Antonio Geraldo da Silva, presidente da ABP.

A Joseane sofreu calada por quase um ano os efeitos da depressão e do preconceito. “A família não entende. Acha que é frescura. Que é falta de vergonha na cara. Que pobre não pode ter depressão”, diz Joseane Gomes, auxiliar de serviços gerais.

“Só que um dia eu fui para o trabalho e lá eu tive a crise que foi muito forte. Eu chorava muito. Eu sentia uma angustia muito grande. Uma coisa muito forte. Que eu não tinha vontade de nada. De fazer nada. Eu só tinha vontade de morrer. Pra mim, se eu morresse acabava os problemas”, revela Joseane.

Só então a Joseane foi buscar ajuda. E encontrou em uma unidade especializada em saúde mental, da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. “Os pacientes com depressão que chegam aqui. Tem um perfil de uma clientela mais grave. Os pacientes chegam com depressão e com alguns sintomas a mais. Com ideias suicidas, sintomas psicóticos. Estados avançados de inapetência de não querer comer, de se cuidar. Parar de tomar banho. Auto cuidado já mais deteriorado”, explica Christiane Andreolo, psiquiatra.

Segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria, aproximadamente dois terços das pessoas com depressão não fazem tratamento. Entre os pacientes que procuram o médico, apenas 50% são diagnosticados corretamente.

“É a mesma coisa que você falar pra quem usa óculos. Tira o óculos, enxergue, esforce pra enxergar, você vai conseguir. Claro que não vai conseguir. A depressão também você não vai conseguir sair dela”, afirma Antonio Geraldo da Silva, presidente da ABP.

“Você se conscientizar que você está com este problema não é fácil. Você acha que os problemas que existem na sua vida que te fazem ficar assim, mas não é, entendeu? Você quando tem depressão, você reage de maneira errada a problemas que todo mundo tem”, explica Paulo Malta Santos, funcionário público.

O Paulo só começou o tratamento depois de muita insistência da família. “As pessoas tendem a confundir com como se fosse um tipo de loucura. Muita gente têm até vergonha de procurar ajuda. Mas não é loucura. É um problema psíquico de fundo emocional que hoje em dia muita gente tem”, diz Paulo.

“O difícil é as pessoas entenderem como é que pessoas aparentemente normais podem sofrer de depressão. Aí, tem um outro tipo de preconceito que achar que depressão inutiliza as pessoas e elas são malucas”, explica a psiquiatra Ana Alice.

Ana Alice é psiquiatra e sobrinha de Chico Anysio. E lembra que o tio tratava a doença com naturalidade. “Meu tio não escondia isso de ninguém. Nunca escondeu. Falou pra família inteira. Conversava comigo. Muito natural”, revela Ana Alice.

“Ontem eu tava conversando com uma paciente minha sobre ‘por que é que eu tenho depressão? Será que foi porque eu não consegui lidar com tal situação. Eu sou frágil por causa disso?’ Depressão é uma doença genética. Hereditária. Mas ninguém fica deprimido porque quer”, explica a sobrinha de Chico Anysio.

Rico sabe sobre o que Ana Alice está dizendo. Ele é primo dela e filho de Chico Anysio. “Eu já deprimi quando minha mãe morreu. Quando ele morreu eu fiquei também deprimido. Não tive que tomar remédio nenhum. Eu faço terapia e não tive que me medicar. Mas certamente eu fiquei deprimido”, conta Rico.

Ao falar abertamente sobre o problema, o filho parece ter entendido o último conselho do pai.

“Quanto mais pessoas me ouvirem falar sobre a depressão, mais pessoas vão deixar de ter vergonha de ser deprimido”, disse Chico Anysio.

Fonte: Site do Fantástico

domingo, 30 de março de 2014

Reservas brilham, Santos vira sobre o Penapolense e vai à decisão

Com a ajuda de seus reservas, o Santos conquistou a classificação para a final do Campeonato Paulista neste domingo. Após sair na frente e sofrer a virada, o Peixe derrotou o Penapolense por 3 x 2 na Vila Belmiro, com gols de Cícero, Damião e Stéfano Yuri. Guaru (de pênalti) e Douglas Tanque fizeram para o time de Penápolis.

As substituições feitas por Oswaldo de Oliveira foram decisivas. Rildo, que entrou no lugar de Gabriel, deu a assistência para Leandro Damião logo na sua primeira jogada. Já Stéfano Yuri, substituto de Damião, fez o gol no segundo toque.

Com a vitória, o Santos garantiu o direito de fazer a segunda partida da decisão em casa - independentemente do adversário.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 3 X 2 PENAPOLENSE

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)

Data: 30 de março de 2014, domingo

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Marcelo Rogério (SP)

Assistentes: Rogério Pablo Zanardo e Miguel Caetano Ribeiro da Costa (ambos de SP)

Assistentes adicionais: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral e Vinícius Gonçalves Dias Araújo (ambos de SP)

Cartões amarelos: Mena, Cicinho, David Braz e Geuvânio (Santos); Samuel, Rodrigo Biro e Guaru (Penapolense)

Gols: SANTOS: Cícero, aos 22 minutos do primeiro tempo, Damião, aos 16 minutos do segundo e Stéfano Yuri, aos 41 minutos do segundo tempo

PENAPOLENSE: Guaru, aos 27, e Douglas Tanque, aos 35 minutos do primeiro tempo

SANTOS: Aranha, Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Arouca, Cícero e Geuvânio (Alison); Gabriel (Rildo), Thiago Ribeiro e Leandro Damião (Stéfano Yuri). Técnico: Oswaldo de Oliveira

PENAPOLENSE: Samuel; Rodnei, Jailton, Gualberto e Rodrigo Biro; Liel (Lukas), Washington, Petros (Rafael Ratão) e Guaru; Douglas Tanque e Alexandro Créu (Neto). Técnico: Narciso

Fonte: Placar Online

Detento postava foto no Facebook de dentro da Cadeia de Caraúbas

Edson Damião, posando para foto
A fragilidade das instituições prisionais no Estado são percebidas, não só devido ao grande número de apreensões realizadas durante revistas. Recentemente um preso da Cadeia Pública de Caraúbas foi flagrado postando fotos e atualizando seu perfil, dentro da Cadeia Pública de Caraúbas.
Edson Damião Nogueira Diniz da Silva, conhecido como "Damião", estava atualizando um perfil no Facebook e curtindo outras postagens. A página no Facebook atribuída a Edson Oliveira Silva (@edesonoliveira.silva) mostrava fotos dentro da unidade prisional.
Em várias postagens, o detento aparecia em espaços da cadeia, tipo como na cela e refeitório, posando ao lado dos colegas presos.Em uma das diversas fotos, Edsonexibe três aparelhos celulares.
A festa nas redes sociais só foi interrompida, depois que a direção da Cadeia Pública descobriu os celulares.
Operação retira celulares, armas e drogas de instituições prisionais do RN
A operação "limpeza", que começou no início da semana, pelo Batalhão de Choque (BPChoque), acompanhado por representantes do Ministério Público Estadual, em instituições prisionais do Rio Grande do Norte, já retirou de dentro das celas, aproximadamente 80 aparelhos celulares, além de armas artesanais e drogas.
O mutirão de "limpeza" deverá percorrer todas as unidades prisionais, com o objetivo de melhor a segurança pública, não só nas prisões, mas também fora delas, uma vez quemuitos presos comandam crimes, que são ordenados de dentro das instituições carcerárias.
Durante o trabalho do BPChoque e do MP, duas revistas em instituições prisionais, chamaram a atenção dos integrantes: a do Presídio Estadual de Alcaçuz, na cidade de Nísia Floresta, e a Cadeia Pública Promotor Manoel Alves Pessoa Neto, em Caraúbas.
Esta última, realizada na tarde da quinta-feira (27), foi onde mais encontraram objetos ilícitos, escondidos dentro das celas da unidade. O promotor Rafael Silva, da cidade de Caraúbas, que acompanhou a revista, ficou estarrecido com a grande quantidade de celulares e armas artesanais que estavam com presos.
Para o promotor, que destacou a importância da operação, todo o trabalho foi feito sem os detentos oferecerem nenhuma resistência. "Acredito que, com o número de armas artesanais, drogas e celulares, apreendidos em uma ação da Polícia Militar bem-sucedida, o número de infrações cometidas pelos detentos irá diminuir bastante e a instituição vai ficar mais segura", disse Rafael Silva, em entrevista à imprensa local.
De acordo com informações do BPChoque, diversas operações em outros presídio do RN já haviam sido feitas, no entanto o número de objetos apreendidos na unidade prisional caraubense foi a que mais impressionou os policiais. 
Durante as buscas, a Polícia Militar encontrou: 30 aparelhos celulares, dos mais variados modelos e operadoras; aproximadamente 20 armas artesanais; duas facas de cozinha; alicates; dezenas de fones de ouvido; pendrive; além de porções de maconha e crack. Ninguém foi indiciado ou apontado como proprietário dos objetos encontrados dentro da unidade prisional.
O comando-geral da PM do Rio Grande do Norte confirmou que as equipes policiais irão prosseguir com o mutirão de revistas em outras instituições prisionais do Estado. O comandante Francisco Canindé Araújo Silva, por meio de sua assessoria, disse que o trabalho é válido e vai contribuir para a redução da criminalidade no Estado.
Presos utilizavam baralho para  jogar apostando em Alcaçuz
Dentre os presídios já revistados pelo BPChoque e MP, Alcaçuz foi destaque por um fato curioso encontrado na unidade, pelos policiais e promotores: diversos baralho, que os detentos usavam para jogar apostando dinheiro, entre eles. O material foi achado,durante uma revista realizada na terça-feira (17), onde foi encontrado também, celulares, drogas e armas artesanais, dentro do Pavilhão II da unidde.
A direção de Alcaçuz confirmou que alguns dos objetos achados estavam escondidos dentro de um buraco em uma das celas, onde também estava uma marreta, carregadores e chips de celular, além de vários tipos de armas artesanais e várias facas.
Jornal o mossoroense 

Em vídeo, Renato Aragão diz que em breve estará em casa

Em vídeo postado por Tânia Mara no Instagram, Renato Aragão aparece bem e diz: "oi gente, logo mais estou em casa. Saudades de vocês. Beijo".(Veja o vídeo clicando aqui)

Na legenda da publicação, a mulher de Jayme Monjardim escreveu: "Deus é maravilhoso! E meu amigo Renato Aragão está um garoto sapeca e com um coração zero bala!".

Renato Aragão deu entrada no hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, na quarta-feira (26), às 14h. Antes, ele estava internado no Hospital Barra D´Or devido a uma infecção. Esta é a segunda vez que o humorista vai parar no hospital neste mês.

Ele foi internado no mesmo local após um infarto e passou por uma angioplastia no dia 16. No dia 19, o humorista recebeu alta. 

Fonte: Terra

Gil declara voto em Eduardo Campos em apoio a Marina

O cantor Gilberto Gil declarou seu voto para presidente ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). O voto foi conquistado por conta da acordo entre Campos e a ex-senadora Marina Silva, líder da Rede, que deve ser anunciada oficialmente no dia 14 de abril como candidata a vice na chapa de Campos.

"Se eles mantiverem a parceria, como tudo indica que manterão, votarei nos dois", disse Gil para a Folha de S. Paulo. "Gil, o ex-ministro, continua a fazer política quase informalmente. E anda com fé atrás da ex-senadora Marina Silva onde quer ela vá", completou confirmando seu apoio incondicional a ex-senadora.

Gil, que já foi ministro da Cultura no governo Lula, disse que não aceitaria um cargo na gestão de Campo e Marina. "Pensando em hoje, não. Pensando em amanhã, não sei. Amanhã é amanhã. Amanhã será outro dia".

Apesar do apoio a Marina, o cantor classificou sua relação com a presidente Dilma como "de apreço mútuo, de pessoas que se gostam".

Fonte: A Tarde/uol 

Lei Seca: DETRAN/RN já registra em 2014 quantidade maior de CNHs retidas que em 2013.

O Detran/RN divulgou na manhã desta sexta-feira (28) o relatório do primeiro bimestre de 2014 com a quantidade de CNHs retidas em Natal em virtude das operações da Lei Seca. O número impressiona: em dois meses neste ano, a equipe suplantou o número de habilitações retidas durante todo 2013, registrando 613 apreendidas em 2014, ante 534 no ano anterior na capital do Estado.

Os dados colocam a infração ‘dirigir sob a influência do álcool’ como a que mais gera autos em Natal. Neste contexto, em janeiro e fevereiro, observa-se outro aspecto que salta aos olhos: as infrações ‘dirigir veículo utilizando-se de telefone celular’ e ‘conduzir veículo registrado que não esteja devidamente licenciado’, completam a tríade como os principais motivos que geram autos. Entretanto, se somarmos os números destas duas últimas, respectivamente 219 e 205, não se alcança o número de CNHs apreendidas.

“Esses dados confirmam o trabalho sério que estamos realizando. Colocam inclusive a Operação Lei Seca desenvolvida pelo Detran/RN como referência no nosso país”, colocou o Coordenador de Educação e Fiscalização de Trânsito do Detran/RN, Adryano Barbosa.

* Assessoria de Comunicação Detran/RN